Renda Fixa – Como O Fundo Garantidor De Créditos Pode Proteger Suas Aplicações

CLIQUE AQUI e inscreva-se agora na Aula ao vivo 100{6e48e448e24f5433d31dc3d0c32d24621b2446babb3bdb810dfe64f5ced02a39} online 100{6e48e448e24f5433d31dc3d0c32d24621b2446babb3bdb810dfe64f5ced02a39} gratuita e aprenda mais sobre esse assunto. Será dia 06/04, 20 horas!

Você sabia que é totalmente possível proteger seus investimentos do Risco de Crédito?

Com Patrimônio Líquido atual de R$ 46 bilhões, o Fundo Garantidor de Créditos (FGC) cobre hoje 99,7{6e48e448e24f5433d31dc3d0c32d24621b2446babb3bdb810dfe64f5ced02a39} do público bancário.

E isso dá uma segurança e tranquilidade maior, principalmente para o investidor Pessoa Física que deseja buscar melhores rentabilidades para seus investimentos.

A Caderneta de Poupança, por exemplo, está sob a proteção do FGC. Muitos acreditam que esta é a aplicação mais segura que existe, mas não sabem que existem outros títulos que possuem exatamente a mesma garantia, além de apresentarem melhores rentabilidades.

Quer entender melhor como aproveitar esse benefício para ter investimentos mais rentáveis e seguros?

Então, continue lendo esse artigo para saber mais sobre:

  • Quais aplicações são protegidas pelo FGC
  • Quanto tempo ele demora para pagar, em caso de quebra de uma insituição
  • Qual o limite garantido
  • Como proteger, na prática, suas aplicações

Parece interessante? Então compartilhe esse post com seus amigos para que mais pessoas também tenham esse conhecimento.

O QUE É O FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITOS


Garantia

A partir da década de 90, o estabelecimento de sistemas de garantia se tornou uma tendência no mundo.

As autoridades tinham uma crescente preocupação com a estabilidade do sistema financeiro. Por conta disso, implementaram instrumentos de acompanhamento, controle e a formação de redes de proteção.

Com esse objetivo, o Fundo Garantidor de Créditos teve seu funcionamento aprovado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), em novembro de 1995.

Algumas pessoas acreditam que o FGC é um fundo do governo, mas é importante falar que ele é uma entidade privada, sem fins lucrativos. Ou seja, é independente do governo.

O principal objetivo do Fundo é prestar garantia de crédito contra instituições associadas nas seguintes situações:

  • Intervenção ou liquidação de instituições associadas;
  • Reconhecimento de insolvência, pelo Banco Central do Brasil.

Com isso, o FGC contribui para a manutenção da estabilidade do Sistema Financeiro e prevenção de crise sistêmica bancária.

Com essa proteção, o público tem uma maior confiança no bom funcionamento do Sistema Financeiro e bancário.

INSTITUIÇÕES QUE ESTÃO SOB PROTEÇÃO


Fundo Garantidor de Créditos

As instituições associadas ao FGC  são os bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de desenvolvimento, a Caixa Econômica Federal, as sociedades de crédito, financiamento e investimento, as sociedades de crédito imobiliário, companhias hipotecárias e as associações de poupança e empréstimo, em funcionamento no Brasil.

Basicamente, todas essas são instituições que podem oferecer algum tipo de crédito ou vender títulos de renda fixa, que representam também esses créditos.

Importante falar que a adesão dessas instituições ao FGC é compulsória. Ou seja, elas não podem funcionar sem estarem cobertas pelo Fundo.

O dinheiro que o Fundo Garantidor de Créditos possui vem de um recolhimento feito às instituições associadas. Em geral, elas pagam ao FGC 0,0125{6e48e448e24f5433d31dc3d0c32d24621b2446babb3bdb810dfe64f5ced02a39} sobre os depósitos cobertos.

QUAIS GARANTIAS O FGC OFERECE


Fundo Garantidor de Créditos

O FGC oferece 2 tipos de garantia, a ordinária e a especial. Basicamente, a diferença entre elas é o valor coberto. Dá uma olhada.

Ordinária:

Garantia de até R$ 250 mil por CPF e por instituição ou instituições do mesmo conglomerado financeiro. Ou seja, se você fizer aplicações em títulos de mais de uma instituição, procure sempre saber se elas fazem parte do mesmo conglomerado.

No caso de conta conjunta, o valor da garantia também é limitado a R$ 250 mil por conta e o valor ressarcido é dividido entre os titulares.

Os tipos de crédito que têm garantia são:

  • Letra de Câmbio (LC);
  • Letra de Crédito Imobiliário (LCI);
  • Letra de Crédito do Agronegócio (LCA);
  • Depósitos a prazo, com ou sem emissão de certificado – CDB (Certificado de Depósito Bancário) e RDB (Recibo de Depósito Bancário);
  • Poupança;
  • Depósitos à vista ou sacáveis;
  • Operações compromissadas que têm como objeto títulos emitidos após 8 de março de 2012 por empresa ligada.

Especial:

Garantia de até R$ 20 milhões por CPF e por instituição ou instituições do mesmo conglomerado financeiro.

No caso de conta conjunta, o valor da garantia também é limitado a R$ 20 milhões por conta e o valor ressarcido é dividido entre os titulares.

O tipo de crédito que tem garantia é o Depósito a Prazo com Garantia Especial do  FGC (DPGE).

Está gostando desse artigo?

Então coloque seu email abaixo para receber as atualizações do Arte da Fortuna direto em sua caixa de entrada!

CONTEÚDO VIP!

Insira o seu endereço de email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!>

HISTÓRICO DE PAGAMENTOS DO FGC


Em primeiro lugar, para que as pessoas recebam seu dinheiro, o banco que sofreu intervenção faz uma lista de todos os investidores beneficiários. Nessa lista tem os valores que cada um precisa receber e os documentos necessários para o pagamento.

Em seguida, o pagamento acontecerá através de um banco, em uma agência próxima das ex-agências do banco que está em liquidação. Lá, o investidor assinará um documento para receber o crédito.

O gráfico abaixo mostra os casos de intervenção e o prazo em que ocorreram os pagamentos.

Fundo Garantidor de Crédito

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Podemos dizer que o prazo médio gira em torno de 3 meses. Teve somente um ponto fora da curva que foi o Banco de Financiamento Internacional, em 1996.

Algumas vezes, quando um banco sofre uma intervenção, outras instituições podem mostrar interesse em comprá-la. Esse é um dos motivos que pode atrasar o pagamento. Até porque, se uma instituição saudável assumir a carteira, pode até não ser necessário o pagamento.

COMO PLANEJAR AS APLICAÇÕES


Fundo Garantidor de Créditos

Em primeiro lugar, é importante entender seus objetivos com a aplicação.

Mesmo com a proteção do FGC o risco que existe é de você não receber o dinheiro no prazo que imaginava.

Já vi isso acontecer… uma pessoa compra uma LCI com vencimento de 180 dias. Faltando uma semana pro vencimento do título, o banco emissor sofre uma intervenção do Banco Central e o dinheiro fica preso por mais 3 meses até o FGC pagar o investidor.

Um valor que ela iria demorar somente uma semana para receber, demorou mais 3 meses. Além disso, o FGC só paga a rentabilidade até o dia da intervenção.

Se esse era um investimento para pagar algo muito importante como a compra de uma casa ou uma viagem por exemplo, a intervenção teria comprometido a realização do objetivo.

É bem difícil de acontecer, mas isso não pode ser descartado.

Ou seja, se o dinheiro precisa ser utilizado de qualquer maneira após o vencimento do título, escolha um emissor com rating alto, com uma boa avaliação de risco, mesmo que isso signifique ganhar menos.

Outro cuidado que precisa ser tomado é quanto à aplicação inicial.

Como disse mais acima, a garantia inclui o principal e os juros, até R$ 250 mil. Se você aplicar R$ 250 mil num título que rendeu 10{6e48e448e24f5433d31dc3d0c32d24621b2446babb3bdb810dfe64f5ced02a39}, por exemplo, você terá R$ 275 mil. Se o banco emissor sofrer intervenção antes do vencimento, o FGC irá te pagar somente os R$ 250 mil. O lucro de R$ 25 mil foi perdido porque estava acima do limite de garantia.

Portanto, faça uma conta de chegada considerando a remuneração e o prazo para saber quanto é preciso colocar para ter sempre menos que o limite até o vencimento.

Nessa tabela abaixo, são mostrados valores máximos de aplicação para diversos prazos e taxas, considerando um CDI de 15{6e48e448e24f5433d31dc3d0c32d24621b2446babb3bdb810dfe64f5ced02a39} ao ano.

Tabela Fundo garantidor de créditoA fórmula para chegar nesses valores é:

Vm = 250.000/(1+CDI* 0,15)^(p/360)

Vm: Valor máximo de aplicação
CDI: percentual do CDI
p: Prazo da aplicação em dias corridos

Portanto, pra cada remuneração é preciso fazer uma conta diferente.

Uma forma mais simples de você fazer isso é basicamente saber quanto o título irá render até o vencimento e ir testando valores.

Um outro cuidado que precisa ser tomado é quanto à diversificação.

Se você possui mais de R$ 250 mil para aplicar, deve dividir o valor em mais de uma instituição.

Se o total é de R$ 600 mil, por exemplo, você pode dividir o valor em 3 bancos diferentes para ter uma maior proteção.

Considerando que esses valores estão abaixo de suas aplicações máximas, você pode colocar R$ 200 mil em cada instituição.

CONCLUSÃO


Garantia

Cetip é a empresa que faz o registro das aplicações em renda fixa. É por conta dela que sabe-se se um título está em seu nome.

Portanto, para que você tenha a garantia do FGC, é preciso que a corretora faça o registro da sua aplicação na Cetip. É bem importante você confirmar se a corretora faz isso no momento da compra.

Você aprendeu nesse artigo que a Caderneta de Poupança possui a mesma garantia que muitos outros títulos. E esses títulos costumam ter uma rentabilidade melhor. Portanto, pesquise sempre antes de fazer qualquer investimento.

A segurança da Poupança é o FGC, da mesma forma que do LCI, LCA, CDB etc.

O FGC possui caixa suficiente para proteger 99,7{6e48e448e24f5433d31dc3d0c32d24621b2446babb3bdb810dfe64f5ced02a39} do público bancário. Ou seja, é uma garantia muito ampla e oferece uma tranquilidade para os investidores.

Uma coisa importante de se falar é que nem todos os títulos de renda fixa do mercado são cobertos pelo FGC.

Essa é uma dúvida que surge muito. Muitos acreditam que qualquer título tem a garantia. Entretanto, como mostrei acima, somente os títulos bancários ou emitidos pelas instituições de crédito citadas contam com a proteção.

Títulos privados emitidos por empresas ou até mesmo títulos públicos não estão inclusos.

Alguns exemplos de aplicações sem cobertura são:

  • Títulos Públicos
  • Debêntures
  • Fundos de Investimentos
  • Fundos Imobiliários
  • Ações
  • FIDCs (Fundos de Investimentos em Direitos Creditórios
  • CRIs (Certificados de Recebíveis Imobiliários)
  • CRAs (Certificados de Recebíveis Agrícolas)

Cada uma dessas possui sua própria estrutura de garantias e é preciso entender cada uma separadamente.

Portanto, como sempre digo, pesquise, busque informações e procure conhecer melhor cada aplicação para colocar seu patrimônio no caminho certo.

Você terá a oportunidade de ficar cara a cara comigo nessa quarta-feira.

CLIQUE AQUI e inscreva-se agora na Aula ao vivo 100{6e48e448e24f5433d31dc3d0c32d24621b2446babb3bdb810dfe64f5ced02a39} online 100{6e48e448e24f5433d31dc3d0c32d24621b2446babb3bdb810dfe64f5ced02a39} gratuita e aprenda mais sobre esse assunto. Será dia 06/04, 20 horas!

Compartilhe esse post com seus amigos para que mais pessoas possam conhecer a proteção do Fundo Garantidor de Créditos!

Gostou desse artigo?

Então coloque seu email abaixo e receba as atualizações do Blog direto em sua caixa de entrada (é grátis!)

CONTEÚDO VIP!

Insira o seu endereço de email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!>